terça-feira, 3 de abril de 2012

Onde o coração repousa

A vida é cheia de altos e baixos, de ápices e de fundos de poço. Segue nos exigindo coragem e fé, colocando-nos em situações tão difíceis, que muitas vezes questionamos sobre a lógica de tudo por que passamos e duvidamos dos desígnios de Deus. A vida vai ladeira abaixo rapidinho e vai ladeira acima de-va-gar, quase parando. A vida não é nada-nada coerente com as pessoas de bem - nem com as pessoas de mal. Vai meio louca, muitas vezes ríspida, muitas outras desafiadora... Aponta o dedo na cara mesmo e demanda pela nossa capacidade e força. No cotidiano, são demais os pesos que carregamos, são muitas as lutas travadas, são tantos os momentos em que a vontade é de sumir, de desistir de tentar, de escapulir e de se esconder num cantinho em que não precisemos tomar decisão alguma nem resolver nada; que o sentimento que mais se vê é uma certa nostalgia da infância passada, quando as grandes questões eram a nota de matemática ou se fulaninho compareceria à nossa festa de aniversário.

Porém, há sempre algo na rotina que faz com que recobremos as forças, que recuperemos o ânimo, que nos tornemos prontos para a luta do dia seguinte. Há, para quase todo mundo, um porto seguro onde o navio individual atraca. Há quase sempre um lugar em que se abstrai daquilo tudo que é exigido e se pode contar piadas bestas e rir até a barriga doer. Pode-se comer doce de leite sem se preocupar com a balança, até ficar enjoado (se é que é possível enjoar de doce de leite), e ficar querendo prolongar aquela sensação de doçura, como se possível transportá-la para a vida. Há quase sempre um lugar onde o guerreiro desmonta a armadura, onde as linhas de tensão da face somem, onde os lábios se abrem em sorrisos. Há um lugar onde o coração repousa do combate e se sente acolhido e cuidado. Há um lugar onde o peso carregado fica leve porque é nele onde se encontra a força que vem do amor. Aí, as feridas do combate são curadas, as lágrimas que caíram são enxugadas, a dor é tratada com analgésicos e se descansa em paz.

Que cada pessoa saiba reconhecer o lugar onde o coração repousa e descansa em paz.

4 comentários:

Das coisas que vejo e gosto. disse...

Sábio, lindo e verdadeiro seu texto.

Tua definição me fez reconhecer esse lugar tranquilo onde me fortaleço. O meu problema e medo, é que esse lugar é o abraço de uma pessoa. E dá medo, sabe? medo de perder e até de assustá-lo. Sei lá...tenho medo que ele ache que é responsabilidade demais ser o porto de alguém. Talvez seja responsabilidade demais. Talvez seja irresponsabilidade demais eleger alguém como meu porto. Mas é assim que é e eu não consegui mudar isso até agora. E é por isso, que muitas vezes quando estou no meio de um furacão, que corro pra esse porto, eu tanto me acalmo, como também sofro, porque tenho medo de perder essa sensação de paz. Complicado, né?

Beijos, Marcele.

Selma Lessa

Xênia disse...

Puxa, que texto profundo e tocante.
Ao final, nos faz refletir sobre esse lugar.
Bom, acho que o homem possui um vazio que ninguém, absolutamente ninguém pode preencher, somente Deus. Creio que Ele é o lugar onde meu coração repousa em paz, mesmo reconhecendo aqui o amor de filhos, pais e conjuges são tb muito proximos, mas somente proximos.
Amei o texto, parabéns!

Mari Vilela disse...

Lindoooooooo o texto

Mari Vilela disse...

Lindo texto