quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Carta ao Papai Noel - 2012

Querido Papai Noel,
 
Eu sei, faz tempo que não me correspondo com você. Ano passado eu nem pedi nada e, no ano anterior, eu só queria ser poupada dos vendavais, dos terremotos, da tempestade... Sim, eu sei que não tenho sido uma menina muito atenciosa, mas eu tenho tentado manter a magia, o espírito e os sonhos nos meus pequenos. Eles até já escreveram suas cartinhas. Isso deve contar alguns pontos a favor, né, não?
 
A vida mudou tanto, né? Quando eu paro para pensar nos últimos três anos, eu sinto que eu envelheci, endureci, cresci, amadureci, pero sin perder la ternura jamás. Eu ainda sonho tanto, Papai Noel, com viagens, com finais felizes, com músicas escritas para mim, com mais tempo para os pequenos... Eu ainda tenho tanta coisa para fazer nessa minha vidinha pequeno-burguesa-mãe-de-família... Não quero aqui relatar os perrengues e provações do ano que passou. Não quero mostrar meu boletim com as notas que tirei pelas minhas lutas diárias, pelos meus rebolations, pela minha tentativa ininterrupta, quase insana, de ser feliz. O que eu quero é fazer um pedido, um só. Nada caro, nada pesado, nada que o senhor não possa dar conta.
 
Olha só, eu já entendi que a vida é doida, cheia de altos e baixos, cheia de surpresas deliciosas e de fundos de poço. Acho que já aprendi a lição de que, por aqui, num tem esse negócio de quota de sofrimento e de quota de alegria, não. Tem momentos, uns massa e uns terríveis e a gente vai de lá pra cá, revezando essas coisas todas. Eu aprendi que, nem adianta querer muito, não vai dar para controlar tudo. Na verdade, o que se controla é um mínimo existencial, que só serve para uma falsa ilusão de que decidimos alguma coisa e que temos ingerência sobre algo.
 
Diante disso tudo, o que eu quero pedir é saúde para aguentar os trancos e inteligência para não perder o timing das coisas. Alguma ajuda divina para me fazer perceber uma oportunidade incrível e para me livrar das ciladas todas que se impõem no caminho. Bom senso e um pouco de sexto sentido, a fé que me move e um tanto de esperança renovada de que o melhor está mesmo ali onde a minha vista não alcança. Isso é tudo, Papai Noel. Nada material, tudo subjetivo. Conto com sua ajuda.
 
Um abraço beeeeem apertado, como os que costumo dar aos que quero muuuuiiiito bem.
 
Marcele

3 comentários:

Das coisas que vejo e gosto. disse...

Oi Marcele!

An. Passado pedi algumas coisas, ano traslado e retrasado e reretrasado também...
Esse ano vou apenas agradecer e pedir saúde. Só.

Beijos

Selma

Cristiane Guimarães disse...

Marcele,

Que Papai Noel atenda seus pedidos e que seus filhotes sejam sempre força e cada dia mais vida na sua vida.
Que seus desejos se realizem no ano que esta para nascer!!!

Borderline Transtorno de Personalidade disse...

Tá add!!! Adorei o blog! Abraços.