sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Carpinejar falando por mim

Eu espero alguém que não desista de mim mesmo quando já não tem interesse. Espero alguém que não me torture com promessas de envelhecer comigo, que realmente envelheça comigo. Espero alguém que se orgulhe do que escrevo, que me faça ser mais amigo dos meus amigos e mais irmão dos meus irmãos. Espero alguém que não tenha medo do escândalo, mas tenha medo da indiferença. Espero alguém que ponha bilhetinhos dentro daqueles livros que vou ler até o fim. Espero alguém que se arrependa rápido de suas grosserias e me perdoe sem querer. Espero alguém que me avise que estou repetindo a roupa na semana. Espero alguém que nunca abandone a conversa quando não sei mais falar. Espero alguém que, nos jantares entre os amigos, dispute comigo para contar primeiro como nos conhecemos. Espero alguém que goste de dirigir para nos revezarmos em longas viagens. Espero alguém disposto a conferir se a porta está fechada e o café desligado, se meu rosto está aborrecido ou esperançoso. Espero alguém que prove que amar não é contrato, que o amor não termina com nossos erros. Espero alguém que não se irrite com a minha ansiedade. Espero alguém que possa criar toda uma linguagem cifrada para que ninguém nos recrimine. Espero alguém que cheire meu corpo suado como se ainda fosse perfume. Espero alguém que não largue as mãos dadas nem para coçar o rosto. Espero alguém que me olhe demoradamente quando estou distraído, que me telefone para narrar como foi seu dia. (...) Espero alguém que minta que cozinha e só diga a verdade depois que comi. Espero alguém que leia uma notícia, veja que haverá um show de minha banda predileta, e corra para me adiantar por e-mail. Espero alguém que ame meus filhos como se estivesse reencontrando minha infância e adolescência fora de mim. Espero alguém que fique me chamando para dormir, que fique me chamando para despertar, que não precise me chamar para amar. Espero alguém com uma vocação pela metade, uma frustração antiga, um desejo de ser algo que não se cumpriu, uma melancolia discreta, para nunca ser prepotente. Espero alguém que tenha uma risada tão bonita que terei sempre vontade de ser engraçado. Espero alguém que comente sua dor com respeito e ouça minha dor com interesse. Espero alguém que prepare minha festa de aniversário em segredo e crie conspiração dos amigos para me ajudar. Espero alguém que pinte o muro onde passo, que não se perturbe com o que as pessoas pensam a nosso respeito. Espero alguém que vire cínico no desespero e doce na tristeza. Espero alguém que curta o domingo em casa, acordar tarde e andar de chinelos, e que me pergunte o tempo antes de olhar para as janelas. Espero alguém que me ensine a me amar porque a separação apenas vem me ensinando a me destruir. Espero alguém que tenha pressa de mim, eternidade de mim, que chegue logo, que apareça hoje, que largue o casaco no sofá e não seja educado a ponto de estendê-lo no cabide. Espero encontrar alguém que me torne novamente necessário.

4 comentários:

Cristiane Guimarães disse...

Marcele,

Você sempre profunda em suas colocações!!
Porém, o interessante disto tudo é que como as vezes nos encontramos em suas palavras, como seus textos acabam refletindo sentimentos de tantos que a acompanha.
“Que você encontre este alguém que a torne novamente necessária.”
Bjs e fica com Deus.
Cris.

Cristiane Guimarães disse...

Marcele,

Você sempre profunda em suas colocações!!
Porém o interessante disto tudo é que como as vezes nos encontramos em suas palavras, como seus textos acabam refletindo sentimentos de tantos que a acompanha.
“Que você encontre este alguém que a torne novamente necessária.”
Bjs e fica com Deus.
Cris.

Moniii disse...

Lindo Marcele.

Como sempre me identifico com seus textos. Eu também espero por esse alguém, ansiosamente, eu espero. Espero como uma criança espera receber um doce em uma festa infantil.

Bjs.

Moniii

Mirys + Guigo + Nina disse...

Obrigada por compartilhar esse texto... lindo DEMAIS da conta!!!!

Amiga, só não se esqueça do velho lema: Deus não demora - ele capricha!!! Ore, peça, chore tudo o que tiver que chorar e aguarde... não trancada em casa, claro. Mas, o seu "alguém" poderá vir de um lugar tão comum e chegar com aquela sensação de que "sempre foi", "sempre esteve", onde a sintonia seja imediata e absurda... torço por isso pra você!

Bjos e bençãos.
Mirys
www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com